As Ganhadeiras de Itapuã

Esta iniciativa cultural surgiu em março de 2004, nos terreiros das casas de Dona Cabocla e de Dona Mariinha, onde um grupo de pessoas motivadas pelo interesse no fortalecimento da identidade cultural de Itapuã se reunia semanalmente para trocar informações … Continuar lendo As Ganhadeiras de Itapuã

VIVA O PRETOGUÊS!

  Nós, brasileiros e brasileiras, ao contrário dos portugueses e dos falantes de espanhol, francês, inglês, italiano, alemão e tantas outras línguas, não usamos o verbo ter quando nos referimos a sensações físicas e a sentimentos. Não é nada brasileiro dizer … Continuar lendo VIVA O PRETOGUÊS!

Influência dos descendentes de escravos africanos na cultura musical do Rio de Janeiro

Histórias que não se ensinam nas escolas IORUBÁS OU JÊJE-NAGÔS Por volta de 1870, negros da etnia iorubá (jêje-nagô) chegaram ao Rio de Janeiro, de navio. Instalaram- se na própria Zona do Porto e nas proximidades – zona conhecida como … Continuar lendo Influência dos descendentes de escravos africanos na cultura musical do Rio de Janeiro

Indígenas, os involuntários da pátria

Eduardo Viveiros de Castro Hoje os que se acham donos do Brasil — e que o são, em ultimíssima análise, porque os deixamos se acharem, e daí a o serem foi um pulo (uma carta régia, um tiro, um libambo, uma PEC) — preparam sua ofensiva final contra os índios. Há uma guerra em curso contra os povos índios do Brasil, apoiada abertamente por um Estado que teria (que tem) por obrigação constitucional proteger os índios e outras populações tradicionais, e que seria (que é) sua garantia jurídica última contra a ofensiva movida pelos tais donos do Brasil, a saber, … Continuar lendo Indígenas, os involuntários da pátria

Descolonizando a cultura brasileira com o auxílio de Mia Couto

“Existem, no entanto, várias formas de pobreza. E há, entre todas, uma que escapa às estatísticas e aos indicadores: é a penúria da nossa reflexão sobre nós mesmos.” “O Brasil, com seus duzentos milhões de habitantes, ao invés de se fixar nos Estados Unidos deveria voltar seus olhos para a África” provocou Mia Couto, ovacionado, após esta declaração, na Feira do Livro de Porto Alegre! Nesta visita ao Brasil, em 2012, o escritor moçambicano falou para pequenas multidões em roteiro inédito — que incluiu saraus da periferia paulistana. O site de notícias “Outras Palavras” fez um apanhado de suas ideias. … Continuar lendo Descolonizando a cultura brasileira com o auxílio de Mia Couto

UnB cria o primeiro instituto de línguas indígenas do Brasil

Foto: Correio Braziliense Com base no Correio Braziliense O local foi batizado em homenagem a Aryon Dall’Igna Rodrigues, pesquisador paranaense que reuniu acervo de 20 mil peças ao longo de seis décadas Num contexto em que a identidade indígena no país é subjugada pelos avanços dos novos tempos, Brasília inova e cria o primeiro instituto de línguas indígenas do Brasil, uma marco na história nacional. A instituição foi inaugurada dia 7/03/2013 e leva o nome do linguista brasileiro Aryon Dall’Igna Rodrigues, professor da Universidade de Brasília (UnB). A iniciativa de professores da Universidade de Brasília pretende preservar e divulgar línguas ameaçadas … Continuar lendo UnB cria o primeiro instituto de línguas indígenas do Brasil

Praia do Balbino

 Resistência e consciência socioambiental Por Eduardo Sejanes Cezimbra Artesanato de coco, dança do coco, renda de bilro, culinária, cordel, jangadas, praias desertas, camarão, lagosta, águas verdes, manguezais, barracas na praia . O que mais?… E precisa mais?! Ah sim, muitos coqueirais, piscinas naturais, rio, enfim, a Praia do Balbino, uma pequena vila de pescadores com 200 famílias. é uma atração turística do Ceará. Não deixe de visitar o Coco Balbino, uma loja de artesanato instalada em uma típica casa de pescador oferece peças das mais variadas, desde colares, suportes para mesas, esteiras, tudo confeccionado com o coco e também do … Continuar lendo Praia do Balbino

Tambores de África no RS

OKAN ILU, O Tambor do Coração   Por Eduardo Sejanes Cezimbra “Por acreditamos que as verdadeiras conexões, aquelas que possibilitam a transcendência são feitas pelo Okan (coração) nós te convidamos para participar do OKAN ILU. Meu Okan batendo forte como o toque de um Alabe em seu Ilu me eleva aos braços da Mãe África. Se o seu Okan bate tão forte como as mãos de um Alabe quando em plena comunhão com o Ilu, então traga o seu Tambor e venha unir-se a nós neste Ipade de Mestres, Diéles e aprendizes para honrar a ancestralidade e vivificar a nossa … Continuar lendo Tambores de África no RS

Redescobrir o Brasil pela alfabetização e descolonização culturais

Desesconder o Brasil para si e para o continente latino-americano é premissa para a sua soberania Valorizar a identidade brasileira através de sua diversidade cultural é uma forma de redescobrir o Brasil, como nos lembra ‘Notícias do Brasil, cantada por … Continuar lendo Redescobrir o Brasil pela alfabetização e descolonização culturais

Alfabetização cultural para formação de uma sociedade leitora

Eduardo Sejanes Cezimbra A leitura é uma das mais importantes ações individuais para acesso a informação de qualidade, mas pouco usada pelos brasileiros. Quantos livros são precisos para que se construa uma opinião pública consequente, à altura de uma sociedade da informação? Afinal, os brasileiros não leem porque os livros são caros ou os livros são caros porque os brasileiros não leem? Lancei esta pergunta no facebook e logo acrescentei: ou nenhuma das alternativas é correta? Diria que o problema da falta de leitura não é tão econômico assim, como muitos reclamam… Sociedade leitora Nunca é demais repetir que nos tempos modernos … Continuar lendo Alfabetização cultural para formação de uma sociedade leitora