Em nomes de animais brasileiros, a resistência tupi

Colonizadores tentaram renomeá-los: jaguar virou “onça”, tapir ficou “anta”. Alguns, viraram híbridos: lobo-guará, tamanduá-bandeira, sapo-cururu. Mas língua indígena venceu, por maioria esmagadora: sabiá, tamanduá, perereca, jabuti Por Sérgio Buarque de Gusmão Já nascida sob a suspeita de que mais vai servir … Continuar lendo Em nomes de animais brasileiros, a resistência tupi

Brutalismo do Antropoceno

Entrevista com Achille Mbembe Brutalismo. A palavra refere-se, espontaneamente, a um movimento arquitetônico famoso pelo uso eficiente do concreto bruto. Ao optar por tomá-lo como o título de seu novo livro, Achille Mbembe propõe outro significado, ainda que o termo original continue ressoando em … Continuar lendo Brutalismo do Antropoceno

O colonialismo fez o mundo moderno. Vamos refazê-lo

É assim que a verdadeira ”descolonização” deveria ser Por Adom Getachew   Descolonize esse lugar!” “Descolonize a universidade!” “Descolonize o museu!” Nos últimos anos, a descolonização ganhou uma nova compreensão política – dentro das fronteiras das antigas potências coloniais. Movimentos indígenas … Continuar lendo O colonialismo fez o mundo moderno. Vamos refazê-lo

Manifestações depois da morte de George Floyd representam a globalização da consciência sobre o racismo. Entrevista especial com Kabengele Munanga

“Temos lições a tirar dessa espontaneidade em massa”, diz o antropólogo, sobre protestos que reuniram pessoas de todas as cores e nacionalidades Por: João Vitor Santos| Edição: Patricia Fachin | 15 Junho 2020 A expansão das manifestações contra o racismo para vários … Continuar lendo Manifestações depois da morte de George Floyd representam a globalização da consciência sobre o racismo. Entrevista especial com Kabengele Munanga

Drogas: muito além da hipocrisia

Como políticas oficiais proíbem algumas substâncias, mas estimulam consumo irresponsável de centenas. Por que é preciso fazer exatamente o contrário Por Henrique Carneiro* Uma política sobre drogas deve abranger os três circuitos de circulação das substâncias psicoativas existentes na sociedade contemporânea: … Continuar lendo Drogas: muito além da hipocrisia

O coronavírus, nosso contemporâneo

Nosso modo de viver gestou e difundiu o vírus. Agora, um muro civilizatório divide o tempo em antes e depois da pandemia. E entre os resignados, que creem na volta à “normalidade”, e os que apostam em reconstruir o mundo … Continuar lendo O coronavírus, nosso contemporâneo

O vírus do progresso

Talvez não saberemos qual foi a causa que tirou o coronavírus de seu ninho, nem qual foi sua gestação, porque há muitos interesses em jogo para que a verdade surja. A verdade é que as empresas farmacêuticas que já estão … Continuar lendo O vírus do progresso

A crise mostra a fragilidade do liberalismo. É hora de recomeçar pela solidariedade

“Não devemos entrar em pânico ou cair no medo irracional; pelo contrário, podemos trabalhar desde agora para reagir prontamente, para encontrar modos criativos de responder à crise, tentar olhar para o futuro com uma esperança razoável e bem fundamentada. Isso é … Continuar lendo A crise mostra a fragilidade do liberalismo. É hora de recomeçar pela solidariedade

A América Latina derrota a ilusão de identidade

Os colonizadores tentaram. Mas seu projeto de pureza, razão, ordem e centralismo sucumbiu à potência da natureza e da mestiçagem. Esta subversão histórica, e singular, deveria dizer algo aos movimentos emancipatórios contemporâneos OUTRASPALAVRAS DESCOLONIZAÇÕES por Ricardo Cavalcanti-Schiel Por Ricardo Cavalcanti-Schiel* | Imagem: Tarsila do Amaral, Batizado de Macunaíma(1956) Antes dos governos de Evo Morales na Bolívia, sobretudo nas duas últimas décadas do século XX e no primeiro lustro do século XXI, as organizações de base indígena do país (o que não deixa de incluir, apesar das marcas históricas específicas, as organizações de mineiros), quando queriam alçar seus protestos de modo mais contundente, lançavam mão de … Continuar lendo A América Latina derrota a ilusão de identidade

O que é apropriação cultural e por que o tema vem à tona no Carnaval

AS LÍDERES INDÍGENAS CÉLIA XAKRIABÁ E SÔNIA GUAJAJARA, NO PRIMEIRO PLANO, COM (DA ESQ. PARA A DIR.) AS ATRIZES DIRA PAES E ALESSANDRA NEGRINI E A CANTORA FAFÁ DE BELÉM NO BLOCO ACADÊMICOS DO BAIXO AUGUSTA, EM SÃO PAULO Juliana … Continuar lendo O que é apropriação cultural e por que o tema vem à tona no Carnaval