Jornalismo de soluções se espalha na América Latina com foco em como cidadãos podem resolver seus problemas

Por Teresa Mioli. Texto publicado originalmente no site do Knight Center for Journalism in the Americas

Do noroeste da Costa Rica, um pequeno jornal bilíngue está usando o jornalismo de soluções para contar histórias de como os moradores estão resolvendo os problemas de suas comunidades. Eles são moradores de Hojancha que reflorestaram uma bacia fluvial e trouxeram água de volta para a cidade, pescadores que estão trazendo tartarugas de volta para a Playa El Jobo e uma organização que está fornecendo DIUs para residentes em Huacas que não podem manter famílias grandes.

No ano passado, La Voz de Guanacaste reportou esses e outros relatos usando a abordagem do jornalismo de soluções, que foca em como as pessoas e organizações estão respondendo aos problemas sociais, além de apenas denunciá-los. A publicação faz parte de uma comunidade em crescimento na América Latina que está aprendendo esta abordagem para fazer reportagens.

“O jornalismo de soluções nos ajudou a fazer valer ainda mais a nossa missão, que é capacitar as comunidades por meio de informações. Isso nos ajudou porque, através desse tipo de jornalismo, não estamos apenas dizendo às pessoas o que está acontecendo, mas como está acontecendo”, disse ao Knight Center for Journalism in the Americas Noelia Esquivel, que lidera o projeto de jornalismo de soluções de La Voz de Guanacaste. “Nós lhes damos os insights para que, se enfrentarem problemas semelhantes, possam replicar um modelo de sucesso e, assim, serem capazes de resolver seu problema também”. A jornalista explicou que a redação usou a abordagem para cobrir o meio ambiente, os direitos humanos, as organizações não-governamentais e as instituições públicas.

Exemplo de pauta

Por exemplo, a primeira reportagem de jornalismo de soluções da Esquivel para o jornal foi sobre como os bombeiros voluntários do distrito costeiro de Nosara estavam usando seus telefones celulares pessoais para receber e catalogar notificações de emergência enquanto esperavam para serem integrados ao sistema de alerta do país. A equipe era vital para a comunidade, já que os bombeiros oficiais da vizinha Nicoya ficavam a 59 quilômetros de distância e eles não podiam chegar a emergências a tempo.

Como eles fazem parte de uma pequena equipe, os jornalistas da redação enfrentaram desafios, como mensurar o impacto de suas histórias, incluindo se as pessoas estão ou não agindo mais. No entanto, as reportagens de jornalismo de soluções que eles publicaram têm maior alcance e engajamento no Facebook e estão entre as histórias mais lidas, de acordo com Esquivel.

“E isso nos enche de satisfação porque sabemos que não estamos contando histórias felizes”, disse a jornalista. “Não se trata de contar histórias felizes, mas de contar histórias que têm esse valor agregado e que podem capacitar o público a realizar ações para que saibam que podem agir”.

américa latina - jornalismo de soluções
La Voz de Guanacaste fez um vídeo para explicar o jornalismo de soluções e por que eles escolheram esta abordagem para escrever algumas reportagens sobre a região (Imagem: reprodução)

As organizações que eles cobrem também ganharam força à medida que se espalha a notícia sobre os serviços que eles fornecem. Ou, em um caso, o jornal foi contatado por uma organização que queria replicar um programa de extensão de jovens que conheceram através da reportagem da jornalista.

Assumindo o jornalismo de soluções

Quando La Voz de Guanacaste decidiu assumir o jornalismo de soluções em agosto de 2018, eles receberam assistência de Mikhael Simmonds, da Solutions Journalism Network (SJN), com sede nos Estados Unidos, para ajudar a “saber quais são as soluções do jornalismo e como implementá-lo na redação”, lembrou Esquivel. Como a jornalista explicou, a redação ainda não tinha explorado muito esta possibilidade e, embora ela tivesse ouvido falar sobre isso na universidade, não foi ensinada em profundidade.

Simmonds e Liza Gross, jornalista argentina e vice-presidente da SJN, também deram um workshop virtual para toda a redação, e La Voz de Guanacaste tornou-se o primeiro parceiro da organização na América Latina. “Estamos super alinhados de que é muito valioso fazer reportagens com essa abordagem”, comentou Esquivel.

Expandindo o jornalismo de soluções na América Latina

Com a ajuda do financiamento da Fundação Tinker, a SJN e a Fundação Gabriel García Márquez para o Novo Jornalismo Ibero-americano (FNPI) uniram-se recentemente para expandir a prática jornalística na América Latina nos próximos dois anos. “Selamos uma aliança para difundir em toda a América Latina a abordagem de investigar com profundidade e com rigor as iniciativas que combatem com sucesso os problemas sociais em diferentes esferas de nossas sociedades”, disse Alejandra Cruz, diretora de oficinas de jornalismo da FNPI.

A iniciativa inclui oficinas presenciais, webinars, bolsas para produção e disseminação de ferramentas para editores e repórteres, como explicou Cruz. A SJN, fundada em 2013, era uma parceira antiga da FNPI em sua missão. O grupo treina jornalistas sobre como escrever reportagens de jornalismo de soluções e tem parceiros em redação em todo o mundo. Oferece um Laboratório de Aprendizado com uma visão geral básica do jornalismo de soluções e guias específicos por assunto. Um kit de ferramentas básico em espanhol, que será traduzido pela FNPI para outros idiomas. A SJN também mantém o Solutions Story Tracker, um banco de dados de relatórios de 6.562 itens que pode ser pesquisado por tópicos e índices de sucesso.

O primeiro workshop oficial desta nova aliança sob a concessão da Fundação Tinker aconteceu em maio de 2019 em Cartagena, Colômbia, com 15 jornalistas da região e foi ministrado por Gross e jornalista Gregory Scruggs. Cerca de 160 pessoas se inscreveram. “O que aconteceu na América Latina é basicamente o que aconteceu com o jornalismo de soluções aqui nos Estados Unidos”, disse Gross. “[Nos EUA], muitos de nossos editores, repórteres e produtores estavam pensando em uma solução, estavam explorando essa possibilidade de ‘O que há além de apenas descrever o problema? Mais alguma coisa? O que mais podemos dar aos nossos leitores?’ Eles estavam muito motivados nesse sentido, só que eles não estavam chamando isso de jornalismo de soluções e eles não tinham um método para isso”.

américa latina - jornalismo de soluções 2
Liza Gross fala com alunos de workshop sobre jornalismo de soluções em Cartagena, Colombia (Imagem: Emmanuel Upegui/FNPI)

Além de treinamentos

Em Cartagena, muitas pessoas estavam buscando soluções no jornalismo e estavam felizes em aprender a metodologia por trás disso, mas Gross disse que elas também eram céticas e tinham perguntas “que todo jornalista deveria ter”. “Como não é militância? Como posso fazer com que não soe como perfumaria, e como eu dou mais robustez às reportagens? Como eu consigo investir mais tempo nisso? Leva mais tempo? É mais uma tarefa difícil do que o jornalismo tradicional?”, explicou o jornalista.

Os jornalistas da oficina criaram um grupo do WhatsApp para compartilhar experiências e aprender uns com os outros. Gross disse que eles também fizeram vários projetos conjuntos e realizaram workshops em seus próprios países. “[Os participantes] vão voltar para seus países e fazer soluções para o jornalismo e também serão uma espécie de embaixador”, disse Tina Rosenberg, jornalista e ganhadora do Prêmio Pulitzer, co-fundadora da SJN.

Não foi a primeira vez que a FNPI ofereceu treinamento em jornalismo de soluções. Em 2000 e 2012, a organização realizou workshops com o jornalista brasileiro Geraldinho Vieira. Em fevereiro e março de 2019, com a ajuda da Open Society Foundations, ofereceu um workshop em La Antigua, Guatemala, para profissionais da América Central. Além disso, Gross e Rosenberg conduziram um workshop lotado em outubro de 2018 durante o Festival Gabo em Medellín, na Colômbia, que atraiu jornalistas de toda a América Latina.

O formato de treinamento

Os instrutores explicaram exatamente o que era o jornalismo de soluções, como implementá-lo nos relatórios e como evitar certas armadilhas – como focar em heróis ou engajar-se em ativismo (fazendo promessas ou oferecendo uma solução ‘tamanho único’, por exemplo). Se eles perceberam ou não, muitos participantes estavam trabalhando em reportagens com uma abordagem de jornalismo de soluções. Em pequenos grupos, eles debateram histórias que poderiam abordar enfocando as soluções, e os tópicos iam desde a migração ao meio ambiente até questões de gênero. A semelhança de temas em todo o continente impressionou Gross.

“Fiquei muito animado porque isso abre a possibilidade de colaborações e aumenta o impacto de seus relatórios”, disse ela. “E também fiquei muito animado com o interesse deles em conectar o conteúdo que eles criam com estratégias robustas de envolvimento do público. Como conversamos com nosso público e como os conectamos? Não é suficiente escrever a reportagem, também é importante colocá-la na frente de nosso público e receber o feedback dele”.

Encontrando um ponto de apoio

Quando perguntada se os jornalistas latino-americanos serão receptivos ao jornalismo de soluções, Cruz disse que entende a relutância inicial. “Eu ficaria preocupado se não fosse assim quando algo novo é apresentado aos jornalistas. Pode, à primeira vista, ser confundido com o foco em notícias positivas, com ativismo ou com publicidade para as entidades que o jornalismo geralmente monitora”, disse ela. “Mas eu acho que uma vez que eles saibam e essa visão de rigor, de equilíbrio e de profundidade é explicada a eles, eles entendem que não se trata isso”.

américa latina - jornalismo de soluções 3
Tina Rosenberg ouve participantes de um workshop sobre jornalismo de soluções Festiva Gabo em Medellín, Colômbia, em 2018 (Imagem: Emmanuel Upegui/FNPI)

Mas as dúvidas se transformaram em curiosidade, como refletido pelo número de participantes em workshops realizados até agora. “Não é estranho que eles já sejam receptivos porque essa abordagem é muito útil na redação de vários ângulos, como investigar e explicar os fatores de sucesso e as limitações nas políticas bem-sucedidas, entendendo de onde vêm as exceções positivas (autoridades/empresas/cidadãos que acertam onde a maioria das pessoas erra ou não faz nada) e o monitoramento e denúncia de inércia, corrupção ou incompetência ao detectar iniciativas bem sucedidas que foram implementadas em contextos similares aos nossos para resolver problemas qualificados como inevitáveis pelos responsáveis prevenindo, mitigando e resolvendo-os”, disse Cruz.

O jornalista acredita que há uma razão para usar uma abordagem orientada para soluções, mais conectada ao jornalismo em sociedades democráticas, e isso é o relato de histórias completas. “Não fazer isso é perpetuar a percepção em nossos leitores e audiências de que existem problemas como a corrupção ou a falha na implementação de políticas que sempre serão assim, inevitáveis e sem solução”, explicou Cruz. “Essa é uma visão sem esperança ou pelo menos normaliza as circunstâncias que devem ser inaceitáveis”.

Enfrentando crises

Para Rosenberg, o jornalismo de soluções é uma oportunidade para enfrentar duas crises que a profissão enfrenta no momento: como financiar reportagens e como reconstruir a confiança com o público. “E assim, o jornalismo não pode continuar como sempre”, disse. “E em toda parte as pessoas estão procurando ‘o que fazemos que nos permite combater essas duas crises, mas ao mesmo tempo ainda é jornalismo rigoroso?’ E o jornalismo de soluções é uma resposta a essa pergunta. E é uma pergunta que está sendo feita em todo o mundo”.

Rosenberg disse que viu redações implementarem propostas de jornalismo de soluções em seus modelos de assinaturas e como forma de levantar fundos para fundações. Por exemplo, o jornal norte-americano Richland Source, de Mansfield, Ohio, arrecadou quase US $ 70.000 em pouco mais de um mês de cerca de duas dúzias de organizações para financiar o “jornalismo independente orientado para soluções”, como escreveu o jornal.

Em La Voz de Guanacaste, a equipe conseguiu levar adiante sua iniciativa de soluções de um ano com a ajuda da Fundação Costa Rica – Estados Unidos para a Cooperação (CRUSA). Embora esse financiamento acabe em agosto, Esquivel disse que planejam continuar relatando como a comunidade está encontrando respostas para os problemas ao seu redor. “Vamos continuar fazendo isso e contando essas histórias e aplicando esse tipo de jornalismo”, disse Esquivel.

Projeto que motiva

A equipe está satisfeita em ouvir sobre a iniciativa da FNPI e da SJN e a considera valiosa para a região. “Esse tipo de jornalismo pode nos motivar a encontrar uma saída para muitas situações conflitivas que temos”, disse Esquivel. “E estamos incrivelmente felizes que outras redações esperançosas, não só da América Latina, mas também do nosso país e do mundo, comecem a implementar esse tipo de jornalismo que no final é o que buscamos com o jornalismo, ou seja, o desenvolvimento das comunidades e o empoderamento das pessoas”.

Portal Comunique-se

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s