Charles Darwin escreveu sobre a escravidão no Brasil

Ao chegar no Brasil e ver de perto a escravidão, Darwin escreveu esse relato:

“Perto do Rio de Janeiro, minha vizinha da frente era uma velha senhora que tinha umas tarraxas com que esmagava os dedos de suas escravas. Em uma casa onde estive antes, um jovem criado mulato era, todos os dias e a todo momento, insultado, golpeado e perseguido com um furor capaz de desencorajar até o mais inferior dos animais. Vi como um garotinho de seis ou sete anos de idade foi golpeado na cabeça com um chicote (antes que eu pudesse intervir) porque me havia servido um copo de água um pouco turva… E essas são coisas feitas por homens que afirmam amar ao próximo como a si mesmos, que acreditam em Deus, e que rezam para que Sua vontade seja feita na terra! O sangue ferve em nossas veias e nosso coração bate mais forte, ao pensarmos que nós, ingleses, e nossos descendentes americanos, com seu jactancioso grito em favor da liberdade, fomos e somos culpados desse enorme crime.”

(Charles Darwin, A Viagem do Beagle)

Jornal Brado Informativo

Anúncios

18 comentários sobre “Charles Darwin escreveu sobre a escravidão no Brasil

    1. Repensar nossa realidade ,debater ,promover o diálogo,sobre a escravidão no Brasil se faz necessário para identificar seus reflexos em nossa cultura na busca de promover uma sociedade mais justa e fraterna

      Curtir

  1. Quando vejo fotos ou escritos mostrando a crueldades de cristãos aos nossos irmãos de pele escura ou vermelha(indígenas) sinto uma angústia na alma, uma vontade de chorar, e não mais parar. A vergonha me doi, por ser de pele branca e descendentes de portugueses. NÃO fui eu quem fiz, mas me sinto como se fosse…

    Curtir

    1. Minha senhora não vá por aí. No Brasil tem nos dias de hoje muitos exemplos de racismo e chacina a negros e índios realizados inteiramente por brasileiros. Preocupe-se com o presente que já tem muito com o que se preocupar, e chorar. Já agora tente ajudar nessa luta…
      Ah, e pode descansar que os portugueses entretanto evoluíram um pouco.

      Curtir

    2. Sinto o mesmo muita vergonha , em pensar que ja se passaram uns 200 anos e ha tanto preconceito de cor de genero e de tantos outros mais. Sera que tem jeito…..

      Curtir

  2. Sim. Mas a escravidão continua no mundo. Infelizmente, como sempre existiu. Não é exclusividade de homens brancos europeus. Pelo contrário. O lugar no mundo que baniu a escravidão foi justamente o Ocidente eurocêntrico. Por exemplo, na África de hoje, a escravidão continua, como sempre. Aliás, muitos se esquecem de que antes dos europeus comprarem escravos na África por 300 anos, os africanos invadiram território europeu, por quase um milênio, implementando todas as práticas de submissão possíveis, como estupros, escravidão, obliteração de cultura e por aí vai. Hoje, a escravidão continua fortíssima no continente que sempre, muitos antes das navegações europeias, amargava guerras étnicas, religiosas, políticas e tribais. http://50forfreedom.org/

    Curtir

    1. Thiago, você mistura as informações quando trata de diferentes ‘escravidões’. O Ocidente eurocêntrico foi justamente o que criou a escravidão como sistema oficial de manutenção da economia dos Estados – das colônias e por óbvio das cortes. O homem sempre escravizou, num sentido amplo, o homem é o lobo do homem, né?
      Os Cruzados escravizaram, estupraram, etc., em nome de um Deus do nobre Ocidente. Na África tribal, nas guerras, a escravização dos inimigos que eram aprisionados era comum, assim como nas guerras de ocupação entre ocidente e oriente, havia escravização dos inimigos aprisionados, de um lado e de outro.
      O que Darwin denuncia é a escravidão naturalizada, como sistema oficial, a transformação de todo indivíduo negro e seus descendentes em seres de categoria inferior a qualquer animal, objetos de uso, de abuso, de desprezo, de prática do terror, de crimes inomináveis, torturas, sevícias, estupros, mutilações e morte. isso quando não morriam de trabalhar. eram posses, patrimônio pessoal dos senhores e sobre os quais o poder público não tinha qualquer ingerência.
      esses indivíduos foram libertos no Brasil pela Lei Áurea – foi o último país a fazê-lo – e foram jogados nas estradas, nas ruas, à própria sorte, sem dinheiro, moradia, documentos, sem ser considerados cidadãos (era proibido alfabetizá-los), eram escorraçados nas ruas por qualquer pessoa que quisesse. Muito voltaram aos seus senhores implorando comida (os mesmos restos) e abrigo (as mesmas fétidas senzalas) em troca daqueles trabalhos massacrantes (hoje temos as tais condições análogas a escravidão em muitas fazendas pelo interior do país).
      Pois bem. Essa condição de naturalização de um crime, por meio da oficialização e perenização (3 séculos, quantas gerações?) de um crime sistemático contra a totalidade das pessoas negras resultou nesse racismo insidioso que temos hoje, que custamos a assumir que temos, resultou nessa relativização da escravidão no nosso país, resultou em defesas que pessoas como você fazem quando teorizam sobre uma escravidão teórica, etérea e indolor.
      se buscar, você encontra informações sobre as barbaridades cometidas por senhores e sinhás no Sudeste, no Maranhão, por aí vai, basta procurar.
      saiba que dói até hoje. e não cura, porque até hoje isso determina a submissão, a humilhação da maioria dos brasileiros.

      Curtido por 1 pessoa

    2. Quando os europeus chegaram à América e a África já encontraram escravatura,faz parte da horrível natureza humana.Claro os europeus se aproveitaram porque tinham melhores armas,só por isso. Tudo continua assim,mais escondido e em todos os continentes!

      Curtir

  3. A escravidão nunc deixou de existir no Brasil, muito menos no Rio de Janeiro. Chega ser desumano a forma como negros favelados da senzala, são tratados até hoje pela casa grande e capitães do mato com seus fuzis armados em caveiroes galopantes.

    Curtir

  4. Tem gente que devia ler mais. Quando os portugueses chegavam nos portos africanos as tribos que governavam já tinha “lotes” de negros de outras tribos pra vender como escravos. Isso não torna os portugueses menos cruéis, mas o homem sempre (repetindo pra quem não tem costume de ler SEMPRE teve o instinto de dominar e escravizar,seja filisteus, judeus, indianos, mongóis, Parece que pra muitos aqui Gengis Kahn foi um doce, os chineses chicoteados pra construir a muralha da China eram monges, os egípcios acorrentados pra construir as pirâmides e depois soterrados pra não revelar segredos foram bem tratados, né. É muito mimimi e muita vontade de esculachar a terra em que vivem e parecer que se sentem culpados. Espero que se sintam culpados pela menina de 12 anos estuprada ao lado de vocês por gente que mora ao lado de vocês e tantos casos de violência debaixo dos narizes de todos.

    Curtir

  5. Isso no Brasil português, enquanto que no Congo belga as mortes por assassinato em massa eram a coisa mais comum: genocídio é uma palavra que ainda não explica bem o que aconteceu lá. E que continua até hoje! Não se sabe ao certo o que e aonde acontece o pior, pois ambos os casos são caóticos e quem sabe explique a revolta das classes baixas ante às ações nefastas das elites assassinas de todos os lugares do mundo aonde houve a escravidão aberta.

    Curtir

  6. Na verdade uma das origens da escravização patece estar ou nascer no seio capitalista em face de que o fundamento, a razão maior para tal absurdo consiste em que alguém capitalizado sequestre e domine alguém descapitalizado e o coloque a seu serviço, sem mesmo lhe garantir comida e água adequadas e suficientes.
    Outras motivações para escravizar alguém partem das deficiências naturais humanas que são a hipocrisia e crueldade. Uma pequena observação, porém criteriosa nos certificará de que sem sombra de dúvidas o ser humano é pura ambição e hipocrisia.

    Curtir

  7. Acredito q nos os “brancos” deveríamos todos cometer suicidio coletivo, se formos considerar os argumentos acima, pois ninguém alega de onde parte e partiu o verdadeiro sistema escravocata! Ele partiu e se iniciou pelos próprios negros que antes e ainda hoje escravizam e comercializam seus iguais, a “culpa” se existe não é dos “brancos” e sim dos próprios negros eles têm que arcar com suas responsabilidades e devemos parar de ficar atribuindo culpas e responsabilidades EXCLUSIVAMENTE ao “branco”. Temos sim nossa parcela de responsabilidade, mas ela não pode ser maximizada em detrimento da responsabilização do NEGRO neste tão nefasto crime cometido por TODOS E NÃO APENAS PELO “BRANCO”

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s