Universidade brasileira forma sua primeira turma composta só por índios

A Universidade Federal de Santa Catarina formou a sua primeira turma composta só por índios. O grupo se gradua em Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica.

São 85 alunos das etnias guarani, kaingang e laklãnõ/xokleng, provenientes do Mato Grosso do Sul (MS), Espírito Santo (ES), Rio de Janeiro (RJ), Santa Catarina (SC) e Rio Grande do Sul (RS). O curso teve duração de quatro anos, entre aulas na universidade e atividades desenvolvidas nas aldeias. Os estudantes receberam formação para lecionar nas áreas de infância, linguagens, humanidades e conhecimento ambiental indígena.

O juramento na colação de grau falou de cultura, liberdade, autonomia, luta pela terra, autodeterminação, alegria e crianças sadias. O discurso dos oradores ressaltou a preocupação com o futuro, a importância das tradições culturais e da demarcação de território indígena:– Não importa o povo ou etnia a que pertencemos, somos todos irmãos, filhos desta terra – lembraram.

Uma reportagem publicada no site da universidade ressalta algumas histórias de superação dos alunos.

Foi o cuidado com a família e seu povo que impulsionou o primeiro formando da noite, o guarani Adelino Gonçalves, a completar o curso, após quase haver desistido. Morador de Biguaçu (SC), conta que a rotina de trabalho e estudos ficou forçada demais, e ele quase largou a graduação pela metade.

– Mas eu sei que isso vai fazer uma diferença para nós. Tenho que espalhar esse conhecimento, temos que mostrar as coisas que aprendemos e valorizar o que ensinamos. A experiência de convivência foi muito importante; um dos motivos para os não índios não respeitarem nossa cultura como deveriam é porque não a conhecem –, observa.

A satisfação em poder aprimorar as escolas indígenas da sua cidade natal estava estampada no rosto do kaingang Armandio Bento, de 48 anos. Natural de Redentora, no Rio Grande do Sul, é professor há 21 anos.

– Nossas principais atividades lá são o artesanato e a agricultura, e queremos continuar com essas coisas, mas também levar mais saúde e valorizar cada vez mais o estudo –, prevê.

xokleng Woie Patté, de José Boiteux, era um dos mais animados, tanto na hora de subir ao palco para tomar o lugar na cerimônia quanto na hora de receber o diploma:

– É uma noite de muita alegria, estou emocionado mesmo –, diz. Ele trabalhava como agente de saúde e resolveu aproveitar a oportunidade de fazer uma graduação e iniciar uma carreira acadêmica. Agora, os planos incluem mestrado e doutorado.

Durante a cerimônia, dois colegas foram lembrados: Natalino e Eduardo, que são parte da turma, mas faleceram antes de terminar o curso. A paraninfa Maria Dorothea Post Darella prestou uma homenagem especial à formanda Maria Cecilia Barbosa, que se tornou bisavó enquanto fazia o curso.

– Foi possível experimentar uma troca, com conhecimentos tradicionais sendo trazidos para o seio da academia – declarou Flácio Chiarelli Vicente de Azevedo, presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), apoiadora do curso, em entrevista à TV Brasil.

Conexão Lusófona

 

Anúncios

Um comentário sobre “Universidade brasileira forma sua primeira turma composta só por índios

  1. Que maravilha Cezimba, é uma bela conquista a admirável iniciativa da Universidade Federal de Santa Catarina, que outas, possam dar as mãos a este belo projeto de, Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica. Aplausos Meus, maravilhada!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s