Agroflorestas e Educação Ambiental: construção coletiva de conhecimento e intercâmbio de experiências

agrofloresta“Sem a multiplicação de conhecimentos não seria possível concretizar um projeto desta envergadura. Atualmente, só no Paraná (PR), escolas de 42 assentamentos de reforma agrária estão irradiando os sistemas agroflorestais (SAF’s)”. Nelson Corrêa Netto

Socializar e compartilhar conhecimentos e experiências para ampliar e qualificar a prática agroflorestal. Com este propósito a Escola Agroflorestal surgiu, há mais de 15 anos, e, desde então, irradia a proposta agroflorestal por todo o país. Este trabalho vem sendo apoiado pelo Projeto Agroflorestar, desenvolvido pela Cooperafloresta (Associação dos Agricultores Agroflorestais de Barra do Turvo/SP Adrianópolis/PR) e patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Socioambiental desde 2010.

Para tanto, este espaço informal de formação e intercâmbio de conhecimento envolve famílias agricultoras e quilombolas, agentes multiplicadores, técnicos e parceiros do Projeto Agroflorestar. Entre as atividades de capacitação estão oficinas, mutirões, cursos, estágios, visitas técnicas, estudos e pesquisas voltados para os associados da Cooperafloresta e para organizações e pessoas de outras regiões do Brasil – técnicos e pesquisadores, gestores públicos e lideranças comunitárias, professores e estudantes universitários, consumidores e organizações urbanas, escolas e ONGs. Em comum, todos reconhecem as iniciativas que integram o Projeto Agroflorestar como uma referência na compatibilização entre conservação ambiental e agricultura, e na geração de trabalho e renda para as populações tradicionais e comunidades rurais.

Abrangência
A Escola Agroflorestal recebe aproximadamente 800 pessoas/ ano para conhecer a produção agroflorestal, a organização das famílias agricultoras e seus mutirões, o beneficiamento e processamento dos alimentos, o sistema participativo de garantia (SPG) da Rede Ecovida de Agroecologia e a comercialização coletiva e solidária.

Para que este trabalho continue se ampliando e agregando cada vez mais famílias agricultoras, o Projeto Agroflorestar conta com a articulação de 34 parceiros entre organizações governamentais, não-governamentais, movimentos sociais, universidades, institutos de pesquisa, escolas públicas, trabalhando juntos em prol da disseminação dos sistemas agroflorestais e da recuperação e conservação dos recursos naturais.

“Sem a multiplicação de conhecimentos não seria possível concretizar um projeto desta envergadura. Por isso, para a disseminação efetiva da proposta agroflorestal que vivenciamos é preciso destacar a parceria com a Escola Latino Americana de Agroecologia da Via Campesina (ELAA). Essa soma de esforços dinamizou as agroflorestas em escolas de 42 assentamentos no Paraná. Hoje, cerca de 1 mil famílias assentadas no Paraná e em São Paulo já estão atuando com os Sistemas Agroflorestais. Para tanto, a ELAA , o Projeto Flora, também patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Socioambiental e demais parceiros, buscam permanentemente novas articulações e recursos”, lembra Nelson Eduardo Corrêa Netto, coordenador do Projeto Agroflorestar e técnico da Cooperafloresta.

Metodologia
No que se refere à metodologia, o Projeto Agroflorestar apoia vários elementos inovadores: agrofloresta, agentes multiplicadores, mutirões agroflorestais, fundo rotativo de microcrédito, sistemas participativos de garantia, comercialização coletiva, ética e solidária, gestão participativa da associação. Estes elementos são abordados na Escola Agroflorestal principalmente em atividades práticas, já que as capacitações ocorrem principalmente com a ação dos agricultores e agricultoras em suas agroflorestas.
O conhecimento e a sabedoria construídos são partilhados através de metodologias geradas localmente, seja através dos mutirões agroflorestais, onde se aprende fazendo, seja através dos agentes multiplicadores, que vêm sendo qualificados pela equipe técnica da Cooperafloresta para atuarem como facilitadores dos planejamentos e condução das agroflorestas.

“Agricultor falando com agricultor em ações práticas tem se mostrado a melhor forma de capacitar e ampliar os conhecimentos dos mesmos, pois a construção do conhecimento ocorre por meio do intercâmbio de saberes mediados pela realidade concreta, com seus limites, potencialidades e desafios. Desta forma, o aprendiz também é educador e o processo de ensino-aprendizagem promove o protagonismo de todos os envolvidos”, enfatiza o coordenador do Projeto Agroflorestar, Nelson.

METAS – O Projeto Agroflorestar, patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Socioambiental, oportunizará que a Escola Agroflorestal da Cooperafloresta envolva aproximadamente 24.500 pessoas (direta ou indiretamente), através de diversas atividades de capacitação.

Entre as temáticas trabalhadas estão o planejamento, implantação e condução de agroflorestas, permacultura, legislação ambiental, manejo de solos, questão agrária, tecnologias de produção, metodologias participativas, organização social, agroindustrialização, certificação participativa, comercialização coletiva em mercados solidários. “Dentro do contexto da proposta pedagógica, assumimos o compromisso de formar a nova geração que vai suceder o projeto das agroflorestas, hoje executado pela Cooperafloresta”, finaliza Nelson.

Projeto Agroflorestar e seus resultados – Entre os resultados obtidos pelo Projeto Agroflorestar desde 2010 estão o manejo de mais de 1 mil hectares de sistemas agroflorestais, que estão recuperando e conservando a biodiversidade no bioma Mata Atlântica e no Cerrado; melhoria das condições de vida de 400 famílias agricultoras quilombolas e assentadas por meio da ampliação da renda e da diversificação alimentar com mais de 100 produtos agroflorestais para o autoconsumo.

Outro fruto do Agroflorestar é a articulação da Cooperafloresta com 34 parceiros, entre organizações governamentais, não-governamentais, movimentos sociais, universidades, institutos de pesquisa, escolas públicas, trabalhando juntos em prol da disseminação dos sistemas agroflorestais e da recuperação e conservação dos recursos naturais. O eixo de pesquisa do Projeto vem contribuindo para a ampliação do conhecimento dos componentes, processos e efeitos da agroflorestas, gerando referências técnico-cientificas para a ampliação de sua adoção e para políticas públicas na esfera socioambiental no Brasil e em outros países.

Estudos sobre ‘Estoques de carbono nas florestas’ têm demostrado como o manejo agroflorestal praticado pode atuar na redução de gases efeito estufa, com estimativas que apontam que a quantidade de carbono que é fixada a cada ano de crescimento de uma agrofloresta é muito superior a esta taxa em florestas em regeneração natural. Na primeira fase da pesquisa, iniciada em 2010, o bioma Mata Atlântica foi o foco dos estudos. Já na segunda etapa, passou a abranger também o Cerrado. Este trabalho é realizado por pesquisadores, técnicos e famílias agricultoras agricultores do Projeto Agloflorestar.

Sobre a Cooperafloresta – http://cooperafloresta.com
A Cooperafloresta nasceu em 1996. Em 2003 foi formalizada e hoje atua diretamente com 120 famílias agricultoras e quilombolas de Adrianópolis (PR) e Barra do Turvo (SP). Também assessora 180 famílias agriculturas assentadas, distribuídas nos municípios de Morretes, Antonina, Paranaguá, Serra Negra e Lapa (Paraná); Ribeirão Preto e Apiaí (São Paulo).

Em todas as localidades promove o fortalecimento da agricultura familiar e camponesa assessorando os processos de organização, formação e capacitação das famílias agricultoras, planejamento e manejo dos sistemas agroflorestais, além do beneficiamento, agroindustrialização, certificação participativa e comercialização coletiva e solidária da produção. Além do Projeto Agroflorestar, a Cooperafloresta executou três outros projetos patrocinados pela Petrobras que tem se configurado como uma parceira fundamental para a consolidação, qualificação e multiplicação da prática agroflorestal, geração de renda e conservação ambiental. Em 2013, a prática agroflorestal desenvolvida pela Cooperafloresta classificou-se em segundo lugar no Prêmio Tecnologia Social promovido pela Fundação Banco do Brasil. A premiação teve 1.011 projetos inscritos em cinco categorias distintas, e apenas 15 projetos premiados. A tecnologia social em questão foi a ‘Agrofloresta baseada na estrutura, dinâmica e biodiversidade florestal’, da categoria “Comunidades Tradicionais, Agricultores Familiares e Assentados da Reforma Agrária”.

Sobre o Projeto Agroflorestar
O Projeto Agroflorestar – iniciativa que busca o equilíbrio entre o desenvolvimento humano e o meio ambiente – está sendo patrocinado pela Petrobras dede 2010. Ao longo de sua execução vem conquistando resultados importantes e muitos avanços, transformando a vida de centenas de famílias agricultoras de diversas regiões do país ao mesmo tempo em que recupera e conserva os recursos naturais.

Informações para a imprensa: JOSI BASSO/ josibasso@uol.com.br, cooperafloresta@gmail.com – (41) 9959-0506 / (41) 9223-7104
SKYPE – josibasso1969

Via DINO
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s